Brasil não atinge meta para nenhuma das principais vacinas infantis
  • Brasil não atinge meta para nenhuma das principais vacinas infantis

    vacinas infantis



    vacinas infantis
    Foto deCDC no Unsplash

    Pela primeira vez no século, o Brasil não atingiu a meta para nenhuma das principais vacinas infantis, segundo dados de 2019 do Programa Nacional de Imunizações, analisados pelo jornal Folha de São Paulo.

    A meta de vacinação de bebês e crianças gira entre 90 a 95%, dependendo da vacina. Se a vacinação fica abaixo destes patamares, há o risco de aumento de transmissão da doença entre a população e até do retorno de doenças já erradicadas, como já vem acontecendo com o sarampo desde o ano passado.

    LEIA TAMBÉM:
    Vacinar crianças contra gripe ajuda a proteger toda população
    Cerca de 1 milhão de crianças deixaram de ser vacinadas durante a pandemia
    Proteja seu cão: tudo o que você precisa saber sobre a vacina antirrábica

    Em 2019, nenhuma vacina atingiu essa meta entre crianças de até um ano de idade. Em 2018 a vacinação já estava em queda, com três das nove vacinas principais atingindo a meta. Em outros períodos, o Brasil chegou a ter sete vacinas dentro do patamar considerado ideal.

    Segundo reportagem da Folha, os primeiros sinais de queda na cobertura vacinal foram registrados em 2015, e se agravaram a partir de 2017.

    O maior índice de cobertura vacinal em 2019, 91,6%, foi registrado para a vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo. Já o menor índice, 69%, foi registrado para a vacina pentavalente, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra a bactéria haemophilus influenza tipo b, responsável por infecções no nariz, meninge e na garganta. No ano passado houve um desabastecimento desta vacina.

    No caso das vacinas contra poliomelite e a tuberculose, a cobertura chegou ao menor índice dos últimos 23 anos.

  • Back to top