Grávidas e puérperas entram na lista de grupo de risco para o coronavírus
  • Grávidas e puérperas entram na lista de grupo de risco para o coronavírus


    O Ministério da Saúde incluiu, no último dia 9, gestantes e puérperas na lista do grupo de risco para o novo coronavírus.

    De acordo com Marco Aurélio Safadi, infectologista pediátrico do Sabará Hospital Infantil, já se sabia que as grávidas são um grupo de risco para outras infecções respiratórias, como as causadas pelo vírus influenza.

    Para o coronavírus, ainda não existem estudos definitivos. Mas dados preliminares vindos da China e de países da Europa têm mostrado que sim, as gestantes correm um risco maior de serem hospitalizadas ou de desenvolverem complicações se contraírem o COVID-19.

    LEIA TAMBÉM
    Desenhos e atividades para crianças que estão em quarentena por conta do coronavírus
    Coronavírus: como falar com os filhos sem despertar o medo neles
    Aprenda a fazer pequenos reparos na pia, no chuveiro e na parede

    As medidas de prevenção contra o coronavírus, devem, portanto, serem seguidas com mais cuidado ainda pelas mulheres que estão grávidas ou passaram por um parto nos últimos 45 dias. “É mais um motivo para reforçar o isolamento, evitar exposição e só sair de casa para atividades essenciais, como consultas médicas”, afirma Safadi.

    E é mais importante ainda para as grávidas o uso de máscara ao sair de casa, tomando cuidado extra para não colocar as mãos no rosto, além de higienizar as mãos com água e sabão e usar álcool em gel na rua, caso não seja possível lavar as mãos.

    Caso a grávida apresente algum sintoma suspeito de coronavírus, como febre e tosse, é importante falar com o médico que está acompanhando a gestação. Se isso não for possível, as recomendações são as mesmas do que as orientações para o público em geral: tratar sintomas leves em casa e procurar atendimento médico em caso de dificuldade para respirar ou febre alta e/ou persistente.

    É importante ressaltar que ainda não há nenhuma evidência de que o coronavírus possa ser transmitido para o bebê dentro do útero. Segundo Safadi, nos casos registrados de bebês com a doença, constatou-se por testes que eles contraíram o vírus depois de nascer.

  • Back to top