Tribunal de Justiça julga inconstitucional "Lei da Cesárea" - Cabeça de Criança
  • Tribunal de Justiça julga inconstitucional “Lei da Cesárea”

    Tribunal de Justiça julga inconstitucional "Lei da Cesárea"



    O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo julgou inconstitucional a lei estadual que autorizava cesáreas sem indicação médica do SUS a partir da 39ª semana de gestação. A chamada “Lei da Cesárea” foi sancionada pelo governador João Doria (PSDB) em agosto de 2019, após o projeto ter sido aprovado em regime de urgência pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

    Tribunal de Justiça julga inconstitucional "Lei da Cesárea"
    Imagem de Patricia Prudente por Unsplash

    LEIA MAIS:

    O Órgão Especial do TJ-SP chegou à conclusão de que a lei paulista nº 17.137/2019 invade a jurisdição legislativa da União. A inconstitucionalidade foi aprovada por unanimidade entre os 25 membros do Órgão Especial do TJ-SP, que seguiram voto do relator do processo, o desembargador Alex Zilenovski.

    O relator pontuou que já existe legislação federal suficiente sobre o tema, como a lei federal nº 8.069/1990. O Estatuto da Criança e do Adolescente estabelece que “a gestante tem direito a acompanhamento saudável durante toda a gestação e a parto natural cuidadoso, estabelecendo-se a aplicação de cesariana e outras intervenções cirúrgicas por motivos médicos.

    A Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo) e outras entidades atuaram para o esclarecimento dos desembargadores, apresentando argumentos jurídicos e científicos sobre os problemas ocasionados pela cesárea a pedido injustificado. A associação defende que “a Lei nº 17.137/2019 e as justificativas apresentadas para sua criação não são condizentes com as evidências científicas existentes.”

    Segundo Rossana Pulcineli, presidente da Sogesp, “quando realizada sob indicações médicas, a cesariana é uma cirurgia essencial para a saúde materna e infantil. Entretanto, quando realizada sem uma justificativa pode agregar riscos desnecessários sem que haja um benefício claro.”

    Na defesa do seu projeto na Alesp, a deputada Janaína Paschoal (PSL) alegava que a lei aumentaria a autonomia da mulher e poderia diminuir a mortalidade materna e de bebês. Seu argumento, entretanto, não era sustentado pelas evidências científicas.

    “Em tempo de negacionismo da ciência e do direito à saúde, uma vitória. Eu avisei, o movimento de mulheres avisou, as doulas avisaram, o Coren avisou, a Sogesp avisou, pesquisadoras avisaram, a defensoria avisou. A má política prevaleceu em troca de agrados futuros”, disse Raquel Marques, codeputada da Alesp pela Bancada Ativista.

    Segundo um estudo científico do periódico The Lancet, publicado em 2018, o Brasil é o segundo país com maior taxa de cesáreas do mundo, com 55,5%, ficando atrás somente da República Dominicana (58,1%). A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou na época um conjunto de recomendações para reduzir o número de cesáreas desnecessárias, destacando que os especialistas consideram que a taxa ideal deveria oscilar entre 10% e 15%. Segundo o UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), as cesarianas representam 40% dos partos no Brasil realizados na rede pública e 84% na rede particular.

  • Back to top