Mulher é demitida após chefe se queixar de que filhos "atrapalhavam" videochamadas
  • Mulher é demitida após chefe se queixar de que filhos “atrapalhavam” videochamadas e processa empresa

    Mulher é demitida porque filhos "atrapalhavam" vídeochamadas de trabalho



    Enquanto trabalhava de casa por causa da pandemia de coronavírus, uma mulher da Califórnia foi demitida de uma corretora de seguros porque seus filhos “atrapalhavam” reuniões realizadas por meio de vídeochamadas. Segundo o jornal The New York Times, Drisana Rios está processando seu ex-empregador, a corretora de seguros Hub International, com a alegação de discriminação de gênero, retaliação e rescisão indevida.

    Mulher é demitida porque filhos "atrapalhavam" vídeochamadas de trabalho
    Imagem: Reprodução/Instagram

    LEIA MAIS:

    Mãe de uma menina de 4 anos e de um menino de 1 ano, Drisana Rios disse ao jornal norte-americano que “trabalhou mais do que nunca em toda a carreira” desde a transição para o trabalho remoto, em março. “Foi extremamente difícil, mas consegui cumprir todos os prazos. Houve alguns dias em que tive que trabalhar até mais tarde para cumprir prazos urgentes ou quaisquer tarefas que não conseguia terminar durante o dia porque tinha que cuidar de meus dois filhos pequenos ao mesmo tempo.” Rios trabalhava em período integral como executiva de contas da Hub International desde agosto de 2019.

     

    Ver essa foto no Instagram

     

    | 28 days ago I finally had enough of the that my boss was giving me for him not being okay with hearing my kids in the background on calls.| . He wanted me to figure out a way to keep the kids quiet . I went to Human Resources with proof of what was going for the last 3 months and 7 days later AFTER that !!!! They told me that I should be happy that the outcome to my career there could have been worse. I’m crying as I type this… I was told I had a bright future. That I was doing very well in my position! . The last 3 months I have worked around the clock from home while watching my two toddlers. I have met all the deadlines they have asked me for, even the unrealistic ones. The situation that I had endured the last 3 months is beyond stressful. How does a company that says that they understand and will work around the schedule of parents do the complete opposite with their actions? I’m devastated. I have poured hours, tears, sweats, delayed giving my child a snack when he wanted one because my boss needed me to do something right away. And what did I get in return? !!! . They can keep the money they offered to not bring this up✋! No working mother should be discriminated against , especially during these times for not being able to keep my for a business call For not being able to turn something around in 5 minutes when my baby wants a snack. We are in tough times right now. This situation would have been temporary. None of my clients had issues with my kids in the background. ‘ ! ‘ !!!. IT’S NOT OKAY to have to feel that your boss is making you pick your work over your kids during these times!!!’ !!! #justice

    Uma publicação compartilhada por Hi, I’m | MODERN CALI MOM (@moderncalimom) em

    No processo, a mulher descreveu que seu supervisor atribuiu várias tarefas a ela com prazos curtos, mesmo em casos que não havia urgência, e que explicou ao supervisor que as ligações no período da tarde eram mais adequadas para ela porque seu filho mais novo estaria dormindo. No entanto, ela alega que seu supervisor “continuou agendando chamadas durante o horário de almoço”, quando estava dando comida para seus filhos, amamentando ou colocando seu filho para dormir.

    “Bronca” do chefe

    Diante disso, Drisana Rios conta ter sido repreendida pelo supervisor. “Ele disse: ‘As crianças podiam ser ouvidas em ligações comerciais com clientes. Não é profissional “, descreveu ao Good Morning America, da ABC.

    A mulher também teria sido vítima de “declarações sexistas” de seu supervisor, que foi “motivado por um claro viés contra as mães”, diz a queixa. Depois de detalhar o tratamento recebido várias vezes ao departamento de recursos humanos da empresa, a ex-funcionária disse que foi dispensada em 2 de junho. Como motivo, a corretora de seguros citou o efeito negativo da pandemia em sua receita.

    Drisana Rios pede indenizações monetárias não especificadas por parte da empresa incluindo compensação por problemas mentais e emocionais. Em um comunicado ao The New York Times, uma porta-voz da empresa se recusou a comentar o caso.

  • Back to top