Pandemia: parecer de Conselho CNE prevê ensino à distância até 2021 - Cabeça de Criança
  • Pandemia: parecer de Conselho CNE prevê ensino à distância até 2021

    Pandemia: parecer do CNE prevê ensino à distância até 2021



    Enquanto alunos das redes pública e privada de todo o país estão tendo aulas remotas em meio à pandemia do novo coronavírus, o Conselho Nacional da Educação (CNE) articula o planejamento da volta às aulas presenciais. O órgão aprovou, nesta terça-feira (7), um parecer com orientações para a retomada gradual das atividades nas escolas. O documento prevê a necessidade do ensino à distância até 2021.

    Pandemia: parecer do CNE prevê ensino à distância até 2021
    Imagem de Feliphe Schiarolli por Unsplash

    LEIA MAIS:

    Após ser votado e aprovado por unanimidade, o texto-base agora passará por pequenos ajustes e seguirá para o MEC para a homologação nos próximos dias. Há uma articulação para que o parecer do CNE seja homologado com celeridade, uma vez que o retorno às aulas presenciais tem sido decidido em várias partes do País.

    Entre os 14 pontos com recomendações gerais para o planejamento da volta às aulas presenciais, destaca-se a “revisão dos critérios adotados nos processos de avaliação com o objetivo de evitar o aumento da reprovação e do abandono escolar”.

    O CNE recomenda expressamente a adoção de medidas que minimizem a evasão e a retenção escolar em 2020, mas reconhece que as decisões acerca dos critérios de promoção são de exclusiva competência dos sistemas de ensino. A entidade pede ainda atenção especial aos estudantes em vias de concluir o ensino fundamento (9º ano) e o ensino médio (3º ano) para que tenham oportunidade de alcançarem os objetivos de aprendizagem propostos em 2020 e possam prosseguir em suas trajetórias profissionais e educacionais.

    Além disso, o parecer do CNE destaca que a reorganização do calendário escolar deve “considerar propostas que não aumentem a desigualdade ao mesmo tempo em que utilizem a oportunidade trazida por novas tecnologias digitais de informação e comunicação para criar formas de diminuição das desigualdades de aprendizado”.

    Confira alguns pontos de recomendações gerais do parecer do CNE:

    • Avaliações devem considerar o contexto excepcional da pandemia, com o objetivo de evitar o aumento da reprovação e do abandono do ensino fundamental e médio;
    • Elaborar, após o retorno das aulas, uma atividade de sondagem da compreensão dos conteúdos abordados de forma remota;
    • Realizar avaliação oral individual ou em pares acerca de temas estudados previamente;
    • Utilizar o acesso às videoaulas como critério avaliativo de participação através dos indicadores gerados pelo relatório de uso;
    • Criar questionário de autoavaliação das atividades ofertadas aos estudantes no período de isolamento;
    • Ofertar, por meio de salas virtuais, um espaço aos estudantes para verificação da aprendizagem de forma discursiva;
    • Para reposição da carga horária de forma presencial ao fim do período de emergência, sugere-se reposição da carga horária de forma presencial ao fim do período de emergência e/ou ampliação da carga horária diária com a realização de atividades pedagógicas não presenciais (mediadas ou não por tecnologias digitais de informação e comunicação) concomitante ao período das aulas presenciais, quando do retorno às atividades.

  • Back to top