Veja nossas dicas de adaptação das crianças para essa volta às aulas - Cabeça de Criança
  • Veja nossas dicas de adaptação das crianças para essa volta às aulas



    Foto: Imagem de klimkin por Pixabay

    A volta às aulas é um momento marcante para os alunos. Seja para aquelas crianças que estão indo para a escola pela primeira vez, para aquelas que estão mudando de escola ou para os que retornam para a mesma instituição.

    LEIA TAMBÉM:
    Dicas para escolher bem a escola dos filhos
    Casa brasileira ganha destaque no exterior por ser ideal para crianças

    Mas à volta – ou o início – da rotina escolar pode ser complicada para algumas crianças, que podem se sentir inseguras com a mudança de ambiente e com medo de não fazer novos amigos ou receio de não se entrosar, por exemplo.

    Por isso, separamos algumas dicas para tornar esse momento mais tranquilo para a família.

    Especialmente na educação infantil, a escola é um espaço desconhecido. Segundo Lady Christina Sabadell, diretora geral da Escola Bilíngue Pueri Domus, ir para a escola significa separar-se de pessoas conhecidas e de ambientes seguros. “Isso gera insegurança natural, intensificando a dependência dos pais. A criança precisa de um tempo para conhecer e aceitar a escola, adquirindo confiança no novo espaço”, diz.

    Segundo Lady Cristina, o período de adaptação é importante tanto para as crianças, quanto para os pais, porque é nesse momento que a confiança na escola se estabelece para ambos.

    Algumas escolas, inclusive, convidam os pais e responsáveis para participar das atividades criadas pela escola nos primeiros dias. “Essa é uma forma de estender a relação com as famílias”, diz a diretora do Marista Escola Social Robru, Aline Paes de Barros.

    Por isso, selecionamos algumas dicas para tornar esse momento mais tranquilo:

    1 – Pergunte sobre a adaptação
    Quando for pesquisar e escolher a escola para o seu filho, pergunte como a instituição trabalha com a adaptação. Pergunte se os pais podem entrar junto nos primeiros dias e tente sentir se a escola é flexível quanto à participação dos pais neste momento especial.

    2 – Converse com a criança sobre a escola
    Segundo Lady Christina Sabadell, é importante ouvir seu filho sem demonstrar ansiedade ou fazer um “questionário”. Conte o que vai acontecer na escola. Mantenha a tranquilidade, falando menos e ouvindo mais.

    3 – Envolva a criança nos preparativos
    Levar os filhos para comprar o material escolar todo pode não ser a melhor opção, já que, se os pais forem sozinhos, vão poder escolher os produtos com mais tranquilidade. Mas é interessante envolver a criança em alguma etapa dos preparativos. Deixe que ela escolha alguns itens, como mochila e lancheira, por exemplo. Peça a ajuda dela para etiquetar os produtos e organizar os itens do material na mochila na véspera do primeiro dia.

    4 – Demonstre segurança
    Na hora de deixar a criança na escola, mostre firmeza e despeça-se carinhosamente. Incentive-a a conhecer sua classe e os novos amigos. Avise que irá esperar por ela na saída e organize-se para não se atrasar para buscá-la.

    5 – Não se preocupe com o tempo de adaptação
    Não existe um tempo determinado para terminar a transição. Não demonstre ansiedade e siga o planejamento da escola. Cada criança tem seu tempo de se integrar no ambiente, e a tranquilidade dos pais aumenta a segurança das crianças.

    6 – Responda tudo e não minta para a criança
    Respeite a curiosidade e as perguntas das crianças. Responda a todos os questionamentos que surgirem, esse é outro fator que promove a segurança e ajuda a criança a confiar nos professores e  na escola.

    7 – Reforço positivo é importante 
    Não comente na presença da criança as atitudes negativas dela na escola. “Ao contrário, reforce o fato de ter ficado sem chorar, mesmo que por pouco tempo, e ter trabalhado em classe”, afirma Lady Cristina.

    8 – Estabeleça uma rotina
    Respeite os horários de entrada e saída e evite faltas, principalmente nas primeiras semanas, para não quebrar a rotina. Evite chegar com muita antecedência ou permanecer além do horário de saída.

    9 – Encare o choro com naturalidade
    Não banalize o choro. Ele é a maneira da criança se expressar para demonstrar seu desagrado frente a algo que a incomoda. Acolha e entenda o porquê deste choro. Seja paciente e acredite que ela estará bem, e que a separação nesta fase é um processo necessário.

    10 – Use objetos de apego
    Se essa for a primeira vez que a criança vai para a escola, essa é a primeira grande separação dos pais e da rotina da casa. Por isso, é importante que as crianças tenham um referencial que faça uma ponte entre a casa e a escola. Converse com a escola e pergunte se é permitido levar objetos de apego, como paninhos, chupetas ou ursinho. Depois da adaptação, aos poucos estes objetos vão sendo deixados de lado.

    11 – Troca de informações
    É importante manter um diálogo estreito com a escola, para dar informações sobre a criança e tirar dúvidas. “Conheça os professores, converse e tire suas dúvidas, pois quanto mais informações o educador tiver sobre aquela criança, melhor será a sua adaptação”, diz Viviane Flores, diretora educacional do Marista Escolas Sociais. Entre os recursos disponíveis estão entrevista com a coordenação, conversa breve com a professora na hora da saída, trocar recados via agenda e reunião individual com a professora após o primeiro mês de aula. Veja com a escola qual é o melhor esquema de comunicação entre ambas as partes.

    12 – Mordidas e beliscões
    As crianças que ainda não têm a linguagem verbal totalmente desenvolvida expressam seu descontentamento, angústia ou insegurança com o corpo. É provável que os pequenos expressem seus sentimentos com mordidas, beliscões e puxões de cabelo nos colegas. Se o seu filho agredir ou for agredido, converse com a professora.

    13 – Mudanças de comportamento
    Neste início de ano escolar a criança pode ter oscilações no comportamento como choro, medo, falta de apetite, alteração no sono e teste de limites. Segundo Lady Cristina, é preciso dar tempo ao tempo para ajustes entre escola, família e criança.

     

  • Back to top