Como manter uma boa imunidade infantil durante a quarentena
  • Como manter uma boa imunidade infantil durante a quarentena

    menina melancia imunidade infantil



    Estamos há cerca de dois meses em distanciamento social, com as crianças fechadas em casa e longe de suas atividades habituais. Nossa rotina mudou, mas é importante adquirir ou manter alguns hábitos saudáveis para continuar com a imunidade infantil fortalecida.

    LEIA TAMBÉM:
    A importância do tempo livre para brincar na quarentena
    Criança: 6 ideias criativas de forte e cabana para você construir com seus móveis

    Segundo o médico Marcelo Otsuka, infectologista pediátrico do Hospital Infantil Darcy Vargas, uma vida saudável passa por alimentação saudável, com horários regulares, sem pular refeições; dormir em horários regulares; fazer atividades físicas e mentais e manter a vacinação em dia.

    “Muitas mortes por covid-19 estão acontecendo por infecções associadas”, diz Otsuka. Manter as vacinas em dia pode ajudar a prevenir as doenças correspondentes às imunizações e também evitar quadros mais graves, caso a criança pegue o coronavírus.

    Em resumo, uma vida saudável ajuda a manter uma boa imunidade infantil, mas o que faz o corpo aumentar de fato essa imunidade é a vacina. O calendário de vacinação deve ser seguido corretamente e as vacinas não devem ser adiadas neste período de quarentena. Claro que mantendo os devidos cuidados ao sair de casa: usar máscaras, evitar tocar em superfícies e mantendo a distância de outras pessoas.

    Sol e vitamina D

    Outra medida importante para manter uma boa imunidade é tomar sol, mesmo que sem sair de casa. “Pegar um pouco de sol é essencial, mesmo que seja através da janela”, diz Marcelo Otsuka. De preferência o sol do começo da manhã ou do final da tarde e por cerca de meia hora todos os dias. Não precisa pegar sol no corpo todo. Expor apenas uma parte do corpo, como braços e pernas, é o suficiente.

    Para as crianças que já têm um déficit de vitamina D, têm uma alimentação pobre ou que não conseguem tomar sol em casa, pode ser interessante fazer uma suplementação da vitamina. Sempre com orientação médica.

    Alimentação

    No quesito comida, é importante manter uma alimentação equilibrada, com pouca gordura, evitando frituras sempre que possível e rica em frutas, verduras e legumes. Uma dica é priorizar os carboidratos de absorção lenta, como o arroz, em detrimentos dos carboidratos de absorção rápida, como as massas. Nem todas as crianças aceitam alimentos saudáveis. Nesse caso, tente inclui-los nos pratos misturando-os a outros itens ou mudando a forma de apresentação, fazendo vitaminas, por exemplo,

    Cuidado com a friagem

    Outra orientação do pediatra é uma dica que parece coisa da vovó, mas que tem um fundamento científico: evitar pegar friagem no corpo. Segundo Marcelo Otsuka, as temperaturas frias fazem com que o movimento dos cílios pulmonares sejam reduzidos. Isso diminui a depuração pulmonar, ou o processo de “limpeza” dos pulmões, favorecendo a instalação de bactérias e vírus. Portanto, agasalhe bem as crianças nos dias mais frios.

    Atividade física

    Sabemos que é mais difícil manter uma rotina de exercícios dentro de casa, mas é importante estimular os pequenos a fazerem atividades físicas por pelo menos por 30 minutos diários. Não precisa fazer somente esportes propriamente ditos. Vale fazer brincadeiras como mímicas, por exemplo, ou ajudar na limpeza da casa. Vale tudo para mexer o corpo. “É uma questão de nos reinventarmos”, diz Otsuka.

    Sono em dia

    A quarentena bagunçou a rotina de todos, mas é importante para a saúde manter uma regularidade de pelo menos oito horas ininterruptas de sono, ou até 10 horas para os menores.

    Segundo a Fundação do Sono dos Estados Unidos, crianças de um a cinco anos precisam de 10 a 14 horas de sono, entre seis e treze, de 9 a 11 horas, e adolescentes de catorze a dezessete anos precisam de 8 a 9 horas de sono por noite.

    Mente sã, corpo são

    Sim, em tempos de isolamento social é muito importante cuidar da saúde intelectual e emocional também. Atividades como jogos em família, por exemplo, são excelentes para esse fim. Primeiro porque o apoio emocional da família ajuda a criar indivíduos com maior capacidade de suportar pressões e lidar com situações adversas da vida. E isso influencia também na saúde física, já que uma pessoa deprimida deixa de se alimentar bem, dorme mal, etc.

    Além disso, jogos que mexem com o raciocínio ajudam a desenvolver a capacidade de resolução de problemas.

    O importante é lembrar que o desenvolvimento de uma criança está todo interligado: tanto o desenvolvimento neurológico quanto o psicológico e o motor. Por isso, seguir esses passos para manter uma vida saudável ajuda em todos os aspectos da vida.

     

     

     

     

     

     

     

  • Back to top