Escolas recorrem a suspensões online para disciplinar alunos em ensino a distância - Cabeça de Criança
  • Escolas recorrem a suspensões online para disciplinar alunos em ensino a distância

    Escolas recorrem a suspensões online para disciplinar alunos em ensino a distância



    Escolas recorrem a suspensões online para disciplinar alunos em ensino a distância
    Imagem: Rashida Dunn-Nasr

    Durante a pandemia do novo coronavírus, as escolas estão enfrentando os desafios do ensino a distância e, para disciplinar os alunos, decidiram recorrer a suspensões online. De acordo com o HuffPost, algumas estão lidando com casos de mau comportamento individualmente, enquanto outras adicionaram novas medidas em seus códigos de conduta.

    LEIA MAIS:

    Diante das suspensões online, especialistas se dizem preocupados com a decisão das escolas de usarem práticas disciplinares excludentes em um momento no qual as crianças já estão mais propensas a se desconectarem da sala de aula e em que o processo de aprendizagem está mais frágil.

    Em Sacramento, nos Estados Unidos, Audrey Taito, de 9 anos, teve a conta de e-mail da escola bloqueada depois de, sem intenção, ter bombardeado o departamento de suporte técnico com mensagens. A garota temeu ter sido suspensa da escola, mesmo tendo aulas remotas, e se sentiu envergonhada com a confusão.

    “Depois dessa experiência, Audrey ficou muito chateada, chorando, com muito medo de ter feito algo realmente terrível”, contou a mãe, Rashida Dunn-Nasr. “Ela nunca teve problemas em nenhuma escola.” A família considera continuar com uma educação domiciliar depois do incidente.

    Alguns distritos têm usado os mesmos dispositivos de disciplina que normalmente usam em sala de aula. Na Carolina do Sul, o superintendente W. Burke Royster alerta que, nas escolas do distrito de Greenville, “comportamentos mais graves resultarão em ‘suspensões online’, encaminhamentos para um programa educacional alternativo ou, no pior dos casos, expulsões.”

    Já outros distritos acreditam que o contexto atual exige uma revisão de seus procedimentos. Maureen Egbuna, diretora do Departamento de Disciplina, Prevenção e Intervenção do Aluno nas Escolas Públicas do Condado de Clayton na Geórgia, disse ao HuffPost que as escolas locais estão incorporando aprendizagem socioemocional à grade escolar para ajudar os alunos a lidarem com o impacto da pandemia de coronavírus. “Todo mundo está passando por algum tipo de trauma”, observou.

    As transgressões mais graves, no entanto, também serão punidas com suspensões online. As crianças punidas irão se reunir em uma sala virtual específica, onde continuarão a receber as tarefas a serem realizadas.

    O distrito criou um sistema para que os alunos possam entrar em contato com uma equipe de apoio escolar caso enfrentem problemas em casa ou sejam impedidos de frequentar as aulas a distância por outros motivos. “Não queremos perder nenhum deles, principalmente neste clima”, disse Egbuna. A equipe promete responder às solicitações em 24 horas.

    A disciplina escolar é um tema que as instituições terão de dar mais atenção na retomada das aulas, sejam presenciais ou não, alerta Cami Anderson, fundadora do projeto The Discipline Revolution. Para ela, os alunos se envolverão em mais conflitos após meses em casa, convivendo com o trauma coletivo da covid-19.

    A iniciativa tem como objetivo ajudar as escolas a encontrar abordagens mais positivas para punição. A especialista conta que já ouviu casos de crianças punidas por apareceram diante da câmera sem vestir seus uniformes ou por não entregarem seus trabalhos online da maneira adequada. Cami Anderson, por outro lado, entende que os representantes das instituições de ensino estão sobrecarregados e tendo de lidar com uma série de novos desafios.

    Na Califórnia, um grupo de advogados de disciplina escolar pediu ao governador que tomasse medidas para impedir que escolas expulsassem seus alunos durante a pandemia de coronavírus. Sem apoio, a medida não prosperou.

  • Back to top