Medos mais comuns na infância: como lidar? - Cabeça de Criança
  • Medos mais comuns na infância: como lidar?

    criança medo medos comuns da infância



    criança medo medos comuns da infância

    Em tempos de pandemia de coronavírus, é normal que as crianças sintam mais medo: medo de adoecer, ou de alguém da família pegar o vírus ou até de não ver mais os avós. Mas a verdade é que o medo faz parte do desenvolvimento da criança. Quais são os medos mais comuns na infância e como lidar com eles?

    LEIA TAMBÉM:
    Educação em casa: como conciliar com o home office?
    Desenhos e atividades para crianças que estão em quarentena por causa do coronavírus
    Adolescente de 15 anos monta parede de escalada no quarto

    Função protetiva

    De acordo com Andressa Bellé, mestre em psicologia pela UFRGS, especialista em psicoterapia cognitivo-comportamental pela UNISINOS, no Rio Grande do Sul, o medo é uma emoção primária. Ou seja, nós já nascemos com ele. O medo tem a função de nos proteger. Em uma situação como a pandemia de coronavírus, por exemplo, o medo serve para nos prevenirmos da doença. “Por isso é bacana validar o medo da criança como uma emoção importante”, diz.

    Em cada fase da vida o medo se manifesta de maneiras diferentes. Os bebês de até um ano de idade, por exemplo, costumam estranhar pessoas diferentes dos pais, o que é uma função protetiva que evolui com a nossa espécie.

    A partir de um ano, é normal sentir medo de que os pais desapareçam. Entre dois e três anos, a criança passa a fazer relações de causa e efeito e passa a rejeitar barulhos estranhos, como trovões e coisas que fogem da sua linha de conforto ou de seu cenário habitual. É comum nessa fase sentir medo dos pais não a buscarem na escola, medo de abandono ou medo de médico, por exemplo.

    Conforme a cognição vai se desenvolvendo, a criança passa a ter medo de representações, como fantasmas, monstros e pessoas com fantasias. São receios que vêm acompanhados do desenvolvimento da imaginação e da criatividade.

    A partir dos cinco anos, as crianças já observam melhor o ambiente e os medos passam a ser mais concretos: medo de ladrões, de se machucar, de perder os pais, de animais, etc. Entre os cinco e oito anos é comum o medo do sobrenatural e, entre oito e 11 anos, aparece com mais frequência o medo da morte.

    Fobia é paralisante

    Mas, apesar de ter uma função protetiva importante, o medo pode ter um efeito reverso quando se transforma em pânico. Segundo a psicóloga Ana Paula Syqueira, especialista em psicologia infantil, adolescência e orientação aos pais, em São Paulo, a diferença entre medo e pânico é a intensidade e a frequência. O medo é mais pontual. Ele acontece e tende a passar quando a criança é acolhida, quando os adultos a acalmam ou quando o objeto do medo se afasta. Com o pânico, os choros são mais intensos. A criança fica muito nervosa, transpira e, geralmente, as crises acontecem todos os dias.

    De acordo com Andressa Bellé, quando o medo é excessivo, ele perde a função protetiva. As fobias, que são um medo exacerbado, impedem a pessoa de entrar com o objeto fóbico e podem ser altamente paralisantes. Por exemplo, uma fobia social pode impedir uma criança de apresentar um trabalho da escola e, futuramente, pode prejudicar o desempenho profissional daquela pessoa. Ou uma pessoa que tem fobia de avião pode deixar de aproveitar uma viagem por conta desse medo.

    “Eu já tive fobia de cachorro, e quando via um, corria e atravessava a rua, correndo o risco de ser atropelada. O medo excessivo é menos protegido do que o medo real e saudável”, afirma.

    Não ignore

    E como lidar com os medos comuns da infância e ajudar a criança a superá-los? Para Ana Paula Syqueira, o mais importante é não menosprezar o medo e deixar o pequeno falar sobre o que está sentindo. “O medo, para a criança, é real. E o maior erro dos adultos é minimizar ou ignorar. O ideal é explorarmos, perguntar o que ela está pensando, o que está sentindo, onde ela viu o objeto do medo”, diz. A criança precisa de alguém que passe confiança e entenda o que ela está sentindo.

    E também é importante tentar não transmitir os nossos medos para os filhos. “Pais medrosos, filhos medrosos. Pais ansiosos, filhos ansiosos”, diz Ana Paula. Para a psicóloga, os adultos que sofrem com medos ou ansiedades excessivas devem procurar uma ajuda profissional para trabalhar suas inseguranças e poder passar confiança para as crianças.

    Andressa Bellé também confirma que as crianças imitam o modelo dos adultos. “Sermos pais e mães nos obriga a olharmos para nós mesmos”, diz. Para a psicóloga, vencer os próprios medos também é importante para os pais. “Lembrando que a coragem não é a ausência do medo, não é fugir das situações. Não precisamos mostrar uma superforça, mas é possível melhorar o encaminhamento dos medos das crianças quando conseguimos demonstrar uma capacidade de enfrentamento”, diz. Ou seja, enfrentar os medos é uma atividade em família.

    Ouça o Podcast É A Mãe! sobre medos infantis:

    O “Podcast É A Mãe!” é um bate-papo sincero entre mulheres reais sobre maternidade real apresentado pelas jornalistas Bárbara dos Anjos Lima, Camila Borowsky e Juliana Tiraboschi”.

  • Back to top