O que as malas de maternidade dizem sobre as diferentes realidades dos países - Cabeça de Criança
  • O que as malas de maternidade dizem sobre as diferentes realidades dos países



    O que você levaria na sua mala de maternidade? Quais os itens mais essenciais que uma família deve levar para esperar a chegada de um bebê?

    As respostas a essas perguntas variam dependendo de qual lugar do mundo essas famílias vivem.

    LEIA TAMBÉM: O que levar no enxoval do bebê para a maternidade?

    A organização Water Aid, que luta pelo acesso a água potável e saneamento básico por todo o mundo, fez um ensaio fotográfico mostrando como as malas de maternidade refletem as diferentes realidades em diversos países no mundo.

    O objetivo da ONG é chamar a atenção sobre como muitos de nós não valorizamos o acesso a água potável, mas esse é um recurso que muitas pessoas não consegue acessar com facilidade.

    Veja o resultado:

    1 – Etiópia
    mala de maternidade
    Mala de maternidade da Etiópia / Foto: WaterAid/Behailu Shiferaw

    A dona desta mala, Se’ada, levará à maternidade calcinhas, um vestido solto, mantas de algodão, tecidos para usar como fralda do bebê e uma toalha para segurar o bebê. Ela diz que sua família divide um único banheiro precário com a família de seu senhorio.

     

     

     

     

     

     

    2 – Uganda
    mala de maternidade
    Mala de maternidade de Uganda / WaterAid/James Kiyimba

    A ugandense Kemisa preparou uma mala contendo lençóis, luvas e algodão, já que a maternidade não fornece esses itens.

    Ela também está levando desinfetante para limpar o quarto depois que o bebê nascer e um balde e uma bacia para se limpar. Kemisa explica que o banheiro fica fora da enfermaria. O cômodo é limpo, mas não há pia para se limpar. Por isso ela levará o balde.

     

     

     

     

    3 – Austrália

    A australiana Katy colocou em sua mala de maternidade os objetos recomendados pelo hospital, como itens de higiene, petiscos e óleo de massagem para ajudá-la a relaxar.

    Ela disse que nem chegou a questionar a higiene do hospital, já que, em seu país, as instalações são muito limpas.

    “É inacreditável que mulheres que já estão lidando com o estresse da gestação e do nascimento do bebê tenham que se preocupar em conseguir água limpa”, diz.

     

     

     

    4 – Tanzânia
    mala de maternidade
    Mala de maternidade da Tanzãnia / Foto: WaterAid/Anna Kari

    Essa é a mala de Zaituni, da Tanzânia. Zaituni desenvolveu septicemia depois do parto, uma infecção gravíssima e potencialmente fatal, que pode ser causada por falta de higiene. Por sorte os médicos conseguiram conter a infecção com antibióticos e transfusão de sangue, mas nem todos os pacientes que contraem septicemia têm o mesmo destino.

    Zaituni contou que seu bebê não tem roupas, e que ela o embrulha em tecidos. “Quando estão sujos, minha irmã os lava para mim. A água não é segura, ela parece leitosa”, disse.

    Em sua mala de maternidade Zaituni levou roupas para ela, uma garrafa térmica, uma garrafa de água e comida. Ela também levou um balde e uma bacia para fazer sua higiene.

     

    5 – Japão
    mala de maternidade
    Mala de maternidade do Japão / Foto: WaterAid

    A mala de Takako tem roupas para o bebê, cartão do seguro saúde, formulários do hospital, ficha de saúde da mãe e do bebê, roupas para a mãe e itens de higiene.

    Além desses itens, Takako receberá fraldas, pijamas e outras roupas para o bebê, como parte da taxa hospitalar que ela pagou.

     

    6 – Estados Unidos
    mala de maternidade
    Mala de maternidade dos Estados Unidos / Foto: WaterAid/Deanna Neiers

    Deanna quer ter um parto natural, então ela está levando itens que a ajudem a lidar com as dores do parto, como uma caixa de som para ouvir música, óleos de coco e lavanda e gel de arnica.

    A futura mamãe se diz muito sortuda por morar bem perto do hospital.

    “Estar grávida aumenta nossa consciência de quão sortuda somos de ter acesso a ótimas instalações para o parto e a água potável”, disse. “É devastador pensar em riscos como água contaminada e instalações sujas”, diz.

     

  • Back to top